Nessas eleições do dia 15 de novembro tivemos, em diversos municípios do Brasil, candidata de um voto só. Algumas mulheres emprestaram seus nomes para os partidos os registrarem como se elas fossem candidatas ao cargo de vereador e, em algumas situações, partidos colocaram nomes de mulheres, sem nem mesmo consultá – las se isso poderia ser feito. Essa prática ocorreu inclusive no Partido da Mulher Brasileira – PMB. Isso se deve ao fato da lei exigir dos partidos políticos o cumprimento da cota de 30% de candidaturas femininas e por motivos contingentes os partidos não terem conseguido alcançar esse  número de forma natural. A vereadora eleita de São Luís de Montes Belos, Professora Valdirene, analisou essa realidade em fala à RDR. Para ela, isso é muito triste. Valdirene disse o que, em sua opinião, dificulta o engajamento da mulher na política. Ouça:

 

Reportagem: Aparecido Eterno do Carmo DRT/GO 1581 – Rádio Vale da Serra