Na sua Carta Apostólica, sob a forma de Motu Proprio Aperuit illis, o Papa Francisco institui o terceiro Domingo do Tempo Comum como o Domingo da Palavra de Deus, “dedicado à celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus” (Aperuit illis, 3). Nossa Diocese, em 2020, vivenciará o Ano Bíblico-Catequético, conforme orienta o nosso IV Plano diocesano de pastoral, como tempo propício de revitalização da animação bíblica da vida e da pastoral e também de fortalecer o comprometimento, por parte de nossas comunidades, com o processo de iniciação à vida cristã, a serviço do qual também está a catequese.

Desse modo, uniremos as celebrações do Domingo da Palavra de Deus e a Abertura do Ano Bíblico-Catequético, a se realizarem no dia 26 de janeiro de 2020 e que deverão acontecer em todas as paróquias. Seguirão, para isso, as indicações para esta celebração.

ORIENTAÇÕES

1. Valorize-se, neste dia, os vários serviços e ministérios relacionados à Palavra de Deus: catequistas, leitores, ministros extraordinários da Palavra – também catequizandos, se for oportuno. Poderão tomar lugar na procissão de entrada e, dentro da Igreja, um lugar reservado de destaque.

2. “Na celebração eucarística, se possa entronizar o texto sagrado, de modo a tornar evidente aos olhos da assembleia o valor normativo que possui a Palavra de Deus” (Aperuit illis, 3). Prepare-se um lugar visível a toda a assembleia, elevado e ornamentado, próximo ao altar ou ao ambão ou em outro local apropriado, onde colocar o texto sagrado. Próximo ao trono da Palavra podem também ser colocadas as Bíblias que serão entregues aos fieis durante a celebração (ver n. 6).

3. Convém que seja feita a procissão solene com o Evangeliário na procissão de entrada.

4. Coloque-se em evidência a proclamação da Palavra de Deus e adapte-se a homilia para se pôr em destaque o serviço que se presta à Palavra do Senhor (cf. Aperuit illis, 3), também pelos vários serviços e ministérios a ela relacionados, existentes na comunidade.

5. Nas preces da assembleia, recorde-se:
* a centralidade da Palavra de Deus na vida cotidiana da comunidade e de cada fiel;
* a importância de toda a comunidade assumir o processo de iniciação à vida cristã, enquanto itinerário para formar discípulos-missionários;
* os catequistas para que, atendendo ao ministério que desempenham de ajudar a crescer na fé, sintam a urgência de se renovar através da familiaridade e estudo das sagradas Escrituras, que lhes consintam promover um verdadeiro diálogo entre aqueles que os escutam e a Palavra de Deus;
* que a Sagrada Escritura indica, a quantos se colocam à sua escuta, o caminho a seguir para se chegar a uma unidade autêntica e sólida entre os cristãos.

6. “Os párocos poderão encontrar formas de entregar a Bíblia, ou um dos seus livros, a toda a assembleia ou aos que exercem algum serviço ou ministério relacionado À Palavra de Deus, de modo a fazer emergir a importância de continuar na vida diária a leitura, o aprofundamento e a oração com a Sagrada Escritura, com particular referência à Lectio divina” (Aperuit illis, 3). Poderá ser feita após a homilia ou antes da Bênção final.

Na entrega da Bíblia aos fiéis, utilize-se a seguinte oração, extraída do Subsídio litúrgico-pastoral “O Domingo da Palavra de Deus” do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização:

P. Caríssimos, o evangelista João recorda que “Esta é a vida eterna: que conheçam a ti, o único verdadeiro Deus, e aquele que enviaste, Jesus Cristo” (Jo 17,3).
Também nós queremos conhecer a Deus, que se revelou por meio da sua Palavra. Queremos portanto acolher a Palavra, conscientes da importância de sua leitura diária, para vivermos sempre mais unidos a Cristo Jesus. Por isso dirigimos agora a Deus a nossa oração.

Depois de um breve momento de oração silenciosa, o presidente, com os braços abertos, reza:

Pai da luz, nós te louvamos e te bendizemos por todos os sinais do teu amor.
Tu fizeste renascer estes teus filhos da água e do Espírito Santo no seio da mãe Igreja e agora os chamas a escutar e anunciar a Palavra que salva.
Jesus Cristo, que é o teu Verbo feito carne, os guia no conhecimento do mistério escondido aos doutores e estudados e revelado aos pequenos.
Faz com que eles abram os corações para compreender o sentido das Sagradas Escrituras.
Faz com que se tornem testemunhas vivas do Evangelho que vão ler neste livros.
Interceda por eles Maria, Mãe da Sabedoria, que por primeiro acolheu no seu seio materno o Verbo que se fez carne.
O teu Santo Espírito dê a cada um de nós a graça de colaborar com simplicidade e alegria na proclamação da tua Palavra, para glória do teu nome.
Por Cristo, nosso Senhor.

Todos: Amém.

O presidente toma os textos e os distribui aos fiéis. Enquanto entrega os textos diz:
P. Recebe as Sagradas Escrituras, lê, anuncia e testemunha com alegria a Palavra de Deus.

Ao que se responde:

R. Amém.

7. Para a Bênção final, pode-se tomar, das Orações sobre o povo, o n. 20, página 533 do Missal Romano.

Evidentemente, cada comunidade procure adaptar à sua realidade local esta celebração. Poderão ainda encontrar outras formas de celebrar este dia, além da celebração eucarística, como por exemplo realizando a Lectio divina. Importante é que, como diocese, em cada uma de nossas paróquias, procuremos realizar esta celebração, em sinal de comunhão e unidade.