Com 18 casos de Covid-19 confirmados até o momento e com o intuito de manter Goiás sem registro de transmissão comunitária, o governador Ronaldo Caiado assinou mais um decreto para retardar a propagação do novo coronavírus no Estado. O documento estabelece novas restrições, como a  diminuição da circulação de pessoas em terminais rodoviários e aeroportos, e também prorroga todas as restrições já estabelecidas pelo Governo de Goiás, que passam a valer até o dia 4 de abril.

De acordo com o decreto 9.639, de 20 de março de 2020, ficam proibidos a partir da próxima terça-feira, dia 24, o ingresso e a circulação de transporte interestadual de passageiros, público e privado, incluindo por aplicativos, proveniente de qualquer unidade federativa em que foi confirmado o contágio pelo novo coronavírus. A mesma prerrogativa vale para operações aeroviárias, incluindo nesse caso, não somente Estados, mas também países que tenham casos de Covid-19. Ainda em relação ao transporte de passageiros, público ou privado, e também intermunicipal, o decreto estabelece que a capacidade de pessoas sentadas nos veículos não poderá ser ultrapassada.

O documento proíbe toda e qualquer atividade de circulação de mercadorias e prestação de serviços, em estabelecimento comercial aberto ao público, considerada de natureza privada e não essencial à manutenção da vida. Também ficam proibidas a entrada de novos hóspedes no setor hoteleiro e alojamentos semelhantes, turísticos e de curta estadia; e a realização de reuniões e eventos religiosos, filosóficos, sociais e/ou associativos.

No novo decreto, o governador detalhou os estabelecimentos que podem permanecer abertos no período, como unidades de saúde, cemitérios e funerárias, distribuidoras de gás, postos de combustíveis, supermercados e congêneres. O documento também permite que continuem em funcionamento hospitais e clínicas veterinárias, agências bancárias, empresas de comunicação, estabelecimentos industriais de fornecimento de insumos ou produtos e prestação de serviços essenciais à manutenção da saúde ou da vida humana e animal, empresas de segurança privada e de transporte coletivo.

Desde a confirmação dos primeiros casos de Covid-19 em Goiás, o governador Ronaldo Caiado tem buscado reforçar junto à população a responsabilidade individual e coletiva na efetivação das medidas de contenção do novo coronavírus no Estado. O governador fez um pronunciamento em redes de televisão e anunciou medidas para amenizar os impactos econômicos do isolamento social.

Entre as providências anunciadas está a abertura de crédito emergencial e condições excepcionais no fornecimento de água e energia elétrica. “O Governo de Goiás está lutando com todas as forças para proteger todos os goianos”, garantiu. “Serão liberados R$ 500 milhões para empresas de pequeno e médio porte; a Saneago não fará cortes; solicitamos às empresas de internet que alonguem o prazo de pagamento das faturas, e à Enel, que não corte a energia”, elencou o governador.

O governador sinalizou que as decisões preventivas anunciadas nos últimos dias obedeceram a critérios técnicos, com foco na saúde das pessoas. “Para atravessarmos juntos esta pandemia do coronavírus, tomamos atitudes duras, às vezes incompreendidas, mas convictos de que estamos fazendo o necessário para salvar vidas”, frisou.

Fonte: casa civil do estado de Goiás