Tribunal de Justiça de Goiás realiza força tarefa na região Oeste em mutirão previdenciário e injeta recursos na frágil economia dos municípios. É visível a melhora na qualidade de vida de muitas pessoas idosas e suas respectivas famílias. Com benefício concedido, muitas pessoas que viviam amparada por parentes e/ou através da caridade de entidades, agora elas tem condições de comprar o seu remédio, bancar a sua alimentação.

Na comarca de Iporá (Iporá, Diorama e Amorinópolis), nos dias 04 e 05 de novembro, sob a coordenação da 2ª vara, juiz Wander Soares Fonseca, foram realizadas cerca de 200 audiências resultando em uma média de dois milhões de reais em benefícios concedidos.

Nossa reportagem acompanhou de perto o evento, entrevistamos o magistrado que vê nos mutirões um ganho muito grande para a sociedade, explicou ele que se tem uma dificuldade para realizar essas audiências de forma individual, há a necessidade de realizar a audiência de instrução quando se colhe o depoimento pessoal, também de testemunhas até se chegar a conclusão com a devida sentença. Esse trabalho na forma individual se faz entre 5 a 6 audiências/dia, e na força tarefa um juiz realiza entre 100 a 120 audiências. Nesses dois dias de mutirão, toda a pauta da vara é concentrada na atividade previdenciária, isso gera transtornos para o conjunto das atividades mas isso é apenas por dois ou três dias. O mutirão agora acontece dias 07 e 08 de novembro em Piranhas e de 18 a 22 de novembro em Caiapônia.

   

Reportagem: Pedro Claudio – DRT/GO 1538 – Rádio Rio Claro