O Tribunal do Júri Popular da comarca de Iporá, julgou e condenou o empresário Horácio Rozendo de Araújo Neto, de 37 anos pela morte da esposa Vanessa Camargo Soares,28 anos, gravida de Isis. A condenação por homicídio qualificado por motivo torpe, aborto, provocado sem o consentimento da vítima e por fraude processual rendeu pena que ultrapassa a 30 anos, sendo 29 anos 6 meses e 20 dias pelo homicídio e aborto, mais o crime de fraude processual 6 meses de detenção e 29 dias multa.

A pena deve será cumprida em regime fechado, sem direito a liberdade durante recurso porque a a condenação foi superior a 15 anos, explicou o magistrado na leitura da sentença. Atuaram no júri, além dos membros do corpo de jurados, na acusação promotor Luís Gustavo Soares Alves, assistente de acusação advogado João Antônio Francisco, na defesa do acusado advogado Palmestron Cabral e na presidência o juiz Wander Soares Fonseca.

A defesa do acusado recorreu da decisão ainda em plenário, e o juiz sinalizou para a possibilidade de um novo julgamento, caso a defesa obtenha êxito no recurso, e emocionou ao finalizar o trabalho já nos primeiros minutos de sábado (07) ao dizer que todos iriam pra casa, exceto, o Horácio, que iria pra prisão e, as vítimas Vanessa e Isis. O Magistrado justificou, o fato de ser Cristão, e estar ali no papel de julgar o semelhante.

Wander Soares, se indagou, porque não dar pena de seis anos? Disse: “Eu, como Jesus Cristo, vim para cumprir a lei, Jesus estava crucificado e do lado dele um ladrão, e do outro lado um outro ladrão, e um daqueles mal feitores disse: Senhor, permita que eu entre no teu reino? Sabe que Jesus fez? Ele disse, ainda hoje estarás no paraíso.

Jesus usando de misericórdia para com àquele malfeitor, ao contrário, não determinou que ele descesse da cruz, mas permitiu que que ele entrasse no teu reino, ainda naquele tempo. O que Jesus fez? Uma coisa é a Salvação e a outra coisa é pagar por aquilo que nós fizemos aqui, como li no início desse julgamento, a cada um será dado segundo a sua obra.

Jesus não permitiu que o ladrão descesse da Cruz, Jesus não anulou a sentença daquele ladrão, mas Jesus permitiu que ele entrasse no seu reino ao reconhecer que Jesus Cristo é o Salvador da Humanidade”. Disse isso para justificar não ter nada contra Horácio e nem contra ninguém, “Eu sou a voz que clama, Jesus Cristo é a Salvação da Humanidade, eu cumpro a lei, mas cumpro a Palavra de Deus também” justificou.

Reportagem: Pedro Claudio – DRT/GO 1538 – Rádio Rio Claro