O Grand Hotel inaugurado a 15 anos em Iporá pode fechar as portas, e não será por falta de hospedes, o local está sempre lotado, e é utilizado por um público exigente, como artistas, clubes de futebol, empresários, agropecuaristas e profissionais de sucesso em diversas áreas.

Para os padrões da região, o hotel é imponente em sua estrutura física e importante para a economia, gera 30 empregos diretos e indiretos, e é um grande consumidor, movimentando o comércio local. A empresária Telma Paes Balduino justifica a sua radical decisão, o esgoto sanitário construído na cidade não recebe os dejetos do hotel, que trabalha com grandes fossas sépticas, sempre dispendioso para o esvaziamento feito por caminhões coletores, porque o solo não apresenta as condições para a vazão. Assim, o volume de dejetos sempre extrapola a capacidade das fossas e os transtornos sobram aos vizinhos e ao próprio empreendimento. A empresária Telma Balduino disse que a estrutura se transformará em um ‘elefante branco’ após a festa muladeiros, já que as reservas já foram feitas.

O local já é assistido por uma rede de esgoto mas ela não está autorizada a fazer uso, o sistema não está preparado para captar o volume, ao anunciar a decisão a empresária teceu duras críticas a empreiteira Elmo Engenharia por não resolver o problema e aos políticos da cidade por não interferirem.

Reportagem: Pedro Claudio – DRT/GO 1538 – Rádio Rio Claro