Trabalhadores Rurais assentados no município de Piranhas enfrentam a ameaça de ter de deixar o local, está em curso uma ação judicial proposta por um proprietário de terra que teria negociado a venda com o INCRA, que ainda não regularizou a situação das 45 famílias que estão lá. Trata-se do ASSENTAMENTO POPULAR CHE GUEVARA/GOIAS, está na pauta de hoje do Tribunal de Justiça de Goiás o julgamento que pode determinar o destino dessas famílias, o relator do processo é o desembargador Fausto Moreira Diniz.

Essas famílias estão assentadas desde dezembro de 2015, elas chegaram no local, segundo os assentados, encaminhadas pelo INCRA, que informou à época que a propriedade considerada um latifúndio seria destinada para a reforma agrária. Agora nos últimos meses as famílias sofrem ameaças de despejos, só não foram expulsas do local porque tiveram apoio de diversas entidades e, a ordem judicial foi provisoriamente suspensa e hoje 05/07 acontece o julgamento no TJGO.

Há uma preocupação quanto ao destino dessas famílias e os impactos sociais provocados, caso seja mantida a ordem de despejo.
Agente Liberado da CPT, Comissão Pastoral da Terra, Lindomar Neres, acompanha toda a movimentação, colaborando dom nossa reportagem ele falou com um assentado sobre o assunto.